Image and video hosting by TinyPic

O melhor conteúdo da região

Tecnologia do Blogger.

EXCLUSIVO: Alunos da Univasf ameaçam entrar em greve e não iniciar aulas do segundo semestre

Publicado em 27/08/2014, às 15h25 e atualizado em 28/08/2014, às 03h39
Da Redação

A forma rude com que muitos docentes estariam tratando os alunos é a principal reclamação. (Foto: Reprodução)
Muitos estudantes da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) estão indignados com algumas condutas dentro da instituição, e ameaçam entrar em greve e não retornarem às salas de aula para o início do segundo semestre. Eles querem ser ouvidos pelo reitor Julianeli Tolentino de Lima, responsável por avaliar condutas de professores da instituição. 

Conforme informações repassadas à Revista do Vale, muitos docentes estariam abusando do poder, reprovando turmas quase que por inteiras e usando palavras grosseiras para tratar os alunos.

Ainda conforme os estudantes, a forma "ignorante" com que muitos professores estariam os tratando acaba desestimulando os mesmos, deixando-os sem vontade de seguir em frente, sem perspectivas de se formarem.

Os alunos têm como objetivo da greve não pedir nota e nem mesmo provas fáceis, e sim professores que realmente ensinem e saibam avaliar o que ensinaram, pois muitos mau estariam dando o conteúdo e depois cobrando tudo com alto rigor, reprovando por diversas vezes os mesmos estudantes e acarretando desistência dos cursos.


A Revista do Vale reservou espaço para que a Univasf se pronunciasse sobre o assunto.

Através de nota, a instituição disse ter conhecimento sobre as queixas feitas pelos estudantes e esclareceu alguns pontos sobre as denúncias. Clique aqui e confira.


Compartilhe no Google +

Blog Revista do Vale

Os comentários publicados abaixo são de total responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião da Revista do Vale.
    Comente com o Blogger
    Comente com o Facebook

13 comentários:

  1. Alerta:

    Tortura (Art. 1º: Código Penal)
    I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento físico ou mental (...)
    II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo pessoal ou medida de caráter preventivo.
    Pena - reclusão, de2(dois) a8(oito) anos.
    Calúnia (art. 138 do Código Penal):
    -Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:
    Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.
    § 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propaga ou divulga.
    § 2º - É punível a calúnia contra os mortos.
    Difamação (art. 139 do Código Penal);
    - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:
    Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.
    Injúria (art. 140 do Código Penal):
    - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:
    Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.
    (...) § 2º - Se a injúria consiste em violência ou vias de fato, que, por sua natureza ou pelo meio empregado, se considerem aviltantes:
    Pena - detenção, de três meses a um ao, e multa, além da pena correspondente à violência.
    § 3o Se a injúria consiste na utilização de elementos referentes à raça, cor, etnia, religião, origem ou à condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência: (Redação dada pela Lei nº 10.741, de 2003).
    LEI 9.455,07/04/1997 constitui:
    Os responsáveis pelas instituições educacionais devem também ser responsabilizados judicialmente nas esferas civil e criminal por muitas vezes agindo resultando em cumplicidade, com inércia, omissão ou apoio ás situações criminosas, já que teriam o poder de acabarem com assedio e assim não fizeram deixando assim perpetuar o problema do infrator pelo assedio moral.
    Maus-tratos (Art. 136 - Código Penal):
    Expor a perigo a vida ou a saúde de pessoa sob sua autoridade guarda ou vigilância, para fim de educação, ensino, tratamento ou custódia, quer privando-a de alimentação ou cuidados indispensáveis, quer sujeitando-a a trabalho excessivo ou inadequado, quer abusando de meios de correção ou disciplina
    Pena - detenção, de 2 (dois) meses a 1 (um) ano, ou multa.
    Podendo também ser caracterizado como maus-tratos no ambiente educacional todo ato ou omissão praticado por pessoas, educadores coordenadores, direção e todos que se em posição de hierarquia trabalham na Instituição educacional e que deveriam cuidar do individuo, educá-los promover a construção do conhecimento acadêmico, no intuito de preparar para formação profissional e em sociedade, expõe o individuo a perigos que comprometem seu desenvolvimento saudável, ameaçam sua vida, causando dano físico e psicológico.
    Se os responsáveis pelas Instituições sabiam ou queriam agir de forma coordenada para apoiar o professor contra o aluno, a cometer o(s) suposto(s) crime(s), isso ira caracterizar a formação de quadrilha. E o magistrado assim entendendo como formação de quadrilha, poderá ter os criminosos e seus cúmplicesum aumento da pena sentenciada .
    Formação de quadrilha (art. 288 do Código Penal):
    "Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes (."...)


    Leia mais em: http://www.webartigos.com/artigos/o-assedio-moral-no-ambito-academico-e-suas-implicacoes-legais/15345/#ixzz3BcaTWccG

    ResponderExcluir
  2. Esses cara de pau, ainda fazem greve e pedem apóio aos alunos.

    ResponderExcluir
  3. Hoooomi
    vao estudar, que livro tem, nao custa abrir e ler, e qlqr duvida perguntar aos professores, porra de greve, vao perder eh tempo

    by aluno formado pela univasf!

    ResponderExcluir
  4. Apesar de desejar muito o próximo semestre, compartilho desta indignação. Trm muito mestre e doutor precisando tornar aos bancos universitários, principalmente em turmas de Pedagogia. Além do constrangimento durante o semestre, o abuso do poder segue até as avaliações. Vêm com essa história de que a avaliação é processual e contínua, mas na realidade "ai de você, aluno, se não entregar uma só atividade nos padrões do próprio". Enfim, democracia inexiste. O aluno muita das vezes é confrontado como se em um campo de batalha onde não tem liberdade para expressar o que pensa e aredita. Se o aluno aceita tudo, yudo bem. Se ele pensa e expõe, quer saber mais que o diplomado e renomado Sr. Verdade. Muito disso e mais disso, de fato, desestimula.
    Aluno, UNIVASF Sr. Do Bomfim - BA.

    ResponderExcluir
  5. Teve uma professora em Petrolina que disse que era filha do diabo e a missão dela aqui na terra é reprovar, amedrontar e destruir

    ResponderExcluir
  6. Esa ai uma coisa que queria ver os alunos se juntando pra fazer alguma coisa junta em pprol de alguma coisa boa.

    ResponderExcluir
  7. O Juju q tanto gritamos nada faz. Deixa ele q o dele tb tá guardado

    ResponderExcluir
  8. Deveriam fazer greve pelo emprego de um português correto também... Se eu fosse um desses estudantes, teria vergonha de estar sendo representado por esta publicação.

    ResponderExcluir
  9. concordo!!! Nos sofremos com isso em OPB no curso de ciencias sociais !!! E nada é feito a respeito disso...ninguém toma partido nosso e depois qndo estao em greve vem pedir nosso apoio

    ResponderExcluir
  10. Em Administração o Professor de cálculo tem prazer em reprovar os alunos e pior que nem ensina, já outros, nem entregam a prova aos alunos e lançam as notas no SIGA. E temos que acreditar nas notas lançadas no SIGA... Vamos acordar meu povo!

    Fora Marcelo!!!

    ResponderExcluir
  11. O pior de tudo sou eu aqui, escrevendo anonimamente para não ser reprovada também!!!

    ResponderExcluir